Timor Leste

Timor já era habitado há mais de 40.000 anos — provavelmente por descendentes de grupos malaio-polinésios e Melanésios, como parecem demonstrar estudos arqueológicos recentes (Spriggs, O’Connor e Oliveira 2007) — quando os Portugueses chegaram no século XVI e usaram a ilha como base comercial, principalmente para o comércio de sândalo, convertendo os povos ao catolicismo e aí permanecendo até 1975.

Cerca de 3.000 AC, muito antes dos portugueses, outros povos chegaram e terão introduzido novas plantas e animais, novos hábitos alimentares, novas técnicas de construção de barcos e de navegação; terão contribuído para o estreitamento das relações dos timorenses com as ilhas vizinhas e para a diferenciação das sociedades litorais das do interior. Mas havia de ser a epopeia marítima dos portugueses a introduzir Timor num "sistema colonial mais vasto e moderno".

Desde que os navegadores portugueses visitaram pela primeira vez Timor, provavelmente em 1512, que Portugal exerceu uma influência dominante (pelo menos na parte oriental da ilha), quebrando as ligações comerciais e tributárias que existiam entre timorenses, chineses e javaneses. Desse domínio, que perdurou até 1975, exceptua-se a breve ocupação Australo-Japonesa durante a guerra do pacífico, responsável pela morte de cerca de 70.000 timorenses, e a ocupação Indonésia após 75, que vitimou pela fome, pela guerra e pelo terror outros cerca de 250.000.

Em 1975, após a revolução dos cravos em Portugal, a FRETILIN declara a independência de Timor-Leste,e o território é invadido e ocupado pela Indonésia até 1999, data em que com o patrocínio da ONU teve lugar um referendum pelo qual o povo rejeitou a integração na Indonésia e em consequência do qual se estabeleceu um período de transição para a independência plenamente alcançada a 20 de maio de 2002.

Após a realização de eleições constituintes, a Administração Transitória das Nações Unidas transferiu progressivamente as responsabilidades aos novos governos que se têm democraticamente sucedido desde então.

Comentários